É possível que a humanidade tenha que abandonar a Terra

É possível que a humanidade tenha que abandonar a Terra

Há vários motivos pelos quais a humanidade tem que procurar um novo lugar para viver
11 out 2017

Primeiro, a Terra tem recursos limitados, e ultimamente seus gastos têm crescido bastante. Segundo, o estado ecológico no nosso planeta tem piorado mais a cada ano, e, provavelmente, logo ele vai deixar de ser favorável para viver. Terceiro, daqui a cinco bilhões de anos, o Sol se tornará um gigante vermelho e queimará os planetas próximos. Na sequência de todos estes fatores, os cientistas já estão estudando a possibilidade de migração, cuja hora chegará inevitavelmente.

A busca de planetas para viver, os voos até eles e sua colonização demorarão bastante. Há ainda pouco tempo que as pessoas começaram investigando o espaço e já enfrentaram obstáculos que apenas podem ser superados com a ajuda da ciência.

Durante o Festival de Ciência da Universidade Estatal de Moscou, o vice-reitor da Faculdade Skoltech, Rupert Gerzer, diretor do Instituto de Medicina Aeroespacial do Centro Aeroespacial Alemão, professor e presidente do Instituto de Medicina Aeroespacial em Aachen, apresentou sua palestra. O cientista falou sobre os problemas que as pessoas já têm ou podem ter durante a investigação do espaço.

Perigos nas viagens espaciais

As pessoas têm que lidar com dificuldades ainda no caminho até seus novos lugares de habitação. A velocidade de foguetes espaciais parece ser enorme, mas para as distâncias espaciais é muito baixa. Por exemplo, da Terra até a Lua a distância é de cerca de 384 mil quilômetros, e o afastamento mínimo de Marte da Terra é de 56 milhões de quilômetros! Se você pudesse viajar até Marte em um Ferrari capaz de alcançar até 300 quilômetros por hora, você precisaria passar 21 anos ao volante. Contudo, se fosse possível viajar à velocidade da luz, então a viajem até ao Planeta Vermelho demoraria um pouco mais de três minutos.

Porém, as dificuldades podem surgir não apenas durante a vida em Marte ou em algum outro planeta, mas também durante a viagem espacial. Vale ressaltar que durante a exploração do espaço aparecem problemas com que os cientistas nem esperavam lidar.

Por exemplo, o surgimento de febre espacial. A medição de temperatura dos cosmonautas que permaneceram na estação espacial mais de meio ano revelou que a temperatura permanente do corpo subiu 1 ou mesmo 2-3 graus. Se imaginarmos a elevação constante de temperatura durante vários anos, fica claro por que as pessoas não conseguirão viver nesse regime térmico. O professor da Skoltech assinalou que isto pode se tornar um obstáculo grave para voos tripulados a longo prazo.

Além do mais, existem outros fatores de influência da imponderabilidade.

“Depois de voo, até 60% dos cosmonautas tiveram problemas oftalmológicos. A ressonância magnética do globo ocular feita depois do voo revela o aumento da camada de tecido conjuntivo que “empurra” o fundo ocular para a frente. Devido a essa camada, a luz não se fixa no sistema do olho. Todos os nervos e vasos sanguíneos que vão do cérebro até o olho via orifício no osso ficam apertados. Provavelmente, isto acontece devido à elevação da pressão intracraniana no espaço. A NASA comunica que esse é o principal problema na deslocação a distâncias longas no espaço, por exemplo, da Terra até Marte”, disse Rupert Gerzer.

Uma casa alternativa para as pessoas

Vamos supor que vocês conseguiram pousar na Lua ou Marte com sucesso. Contudo, as dificuldades não acabam aqui. Somos terrestres. Estando acostumados à gravidade terrestre, precisamos de água e ar com certo teor de oxigênio. Além do mais, nós somos indefesos perante a radiação.

“Radiação é um dos problemas óbvios que nos ameaçam em outros planetas e até durante o voo até eles. Em uma estação espacial você recebe 300 vezes mais sieverts que na Terra. Caso vocês vivessem em Marte, a dose ainda seria maior! É difícil fazer previsões quanto às consequências que podem ser causadas por isso, pois os tipos de raios que recebemos na Terra, no espaço e em Marte são diferentes. Cosmonautas têm o mesmo número de casos de câncer que o resto das pessoas, contudo, há poucas pessoas que estiveram no espaço. É difícil elaborar uma estatística com números tão limitados”, explica Gerzer.

Você nunca adivinhará qual é a principal ameaça à colonização de MarteEntão, que tarefas tem um viajante espacial pela frente? Ele tem que se proteger da radiação, ter uma atmosfera, bem como água e comida. Vale ressaltar que, de acordo com o cientista, Marte e Lua não são os locais mais perspectivos a serem habitáveis. Ele acredita que as pessoas poderiam viver dentro de asteroides! São numerosos, estão espalhados pelo espaço e a camada de pedra grossa poderá proteger as pessoas da radiação espacial.

Porém, a maior parte dos estudos é dedicada aos planos de colonizar Marte.

Vale a pena abandonar a Terra?

Concluindo seu discurso, Gerzer frisou que ainda não é preciso planejar o abandono da Terra. Mas é preciso protegê-la de ameaças externas (por exemplo, de asteroides) e do impacto destrutivo da atividade humana sobre o ambiente do nosso planeta. Fora disso, é preciso continuar investigando o espaço, que está pleno de novas oportunidades e ameaças. Com informações do Sputnik News.

Comentários
PUBLICIDADE