Estudantes lesados pela W9! se reúnem com parentes do dono da empresa

Estudantes lesados pela W9! se reúnem com parentes do dono da empresa

Familiares criaram página em uma rede social para negociar prejuízos aos alunos
8 out 2014

w9

Um grupo de estudantes lesados pela W9! se reúne com parentes do representante legal da empresa, na noite desta quarta-feira (8), na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), para discutir uma solução após a empresa fechar as portas. No último dia 22, a agência anunciou que não honraria contratos já pagos para a realização de festas de formatura de universitários, a maioria de instituições da Região Metropolitana do Recife. Cerca de 150 grupos de alunos foram prejudicados. O prejuízo é calculado em R$ 10 milhões.

A informação a respeito da reunião foi publicada na página W9 Falando Francamente, criada no Facebook nesta quarta-feira. Em uma das postagens, o autor afirma que, assim como as vítimas, “nossa família [de Lídio Cosme, apontado como responsável legal pela empresa] também foi surpreendida com o repentino anúncio de falência da W9 e, da mesma forma, também ficamos atordoados e sem rumo”. A publicação ainda declara que os parentes do representante procuraram “adotar as medidas legais que o caso requer e reunir os membros da nossa família e amigos mais próximos, para juntos encontrarmos uma saída para a solução do grande e doloroso problema em que se encontram todos vocês e toda nossa família”.

Por fim, a postagem menciona reuniões com alunos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Faculdade dos Guararapes. O texto ainda afirma, nesta quinta-feira (9), o encontro ocorrerá com estudantes da Universidade Salgado de Oliveira (Universo). Os autores da página ainda pedem que outras comissões de formatura entrem em contato pela rede social ou através do e-mail clientesw9@gmail.com.

O caso

Desde que a empresa fechou, Lídio Cosme Silva Júnior, apontado como responsável legal pela W9!, não foi mais visto em público, exceto no último dia 25, quando realizou uma viagem aérea de Guarulhos (SP) para Maceió. Policiais flagraram o desembarque do suspeito no Aeroporto Zumbi dos Palmares, na capital alagoana, mas não puderam detê-lo porque ainda não havia mandado de prisão. No dia 29, o TJPE determinou a prisão preventiva do empresário. Policiais da Delegacia de Capturas chegaram a visitar alguns endereços na Região Metropolitana do Recife, onde se suspeitava que o empresário pudesse estar, mas não obtiveram êxito.

Decisões judiciais

No último dia 26, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) deferiu liminar através da qual bloqueou as contas do empresário e de outra sócia da W9!, Adriana Karla Diniz Alves Cosme. Além disso, também foi determinado o rastreamento dos veículos dos envolvidos junto ao Detran-PE. Esses bens e imóveis no Recife e em Natal (RN) devem ser penhorados.

A solicitação partiu do Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE), que alegou querer assegurar futuras execuções trabalhistas, já que, além dos alunos lesados, os funcionários da agência também foram prejudicados. Eles não receberam o pagamento dos salários atrasados, verbas indenizatórias, décimo terceiro e FGTS, conforme o Ministério. O bloqueio chega a cerca de R$ 2 milhões.

No último dia 3, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ajuizou, na Vara Cível da Comarca do Recife, uma ação civil pública em desfavor da agência. No documento, foi pedida a condenação da empresa e dos sócios ao pagamento de R$ 1 milhão por danos morais coletivos. O montante deverá ser revertido ao Fundo Estadual do Consumidor. As medidas incluem também a indisponibilidade dos bens dos representantes, com o bloqueio de contas bancárias, depósitos, aplicações e investimentos, bem como a proibição da venda e transferência de bens e valores a terceiros.

Da Folha de Pernambuco

Comentários
PUBLICIDADE