Investigado pela PF tenta resistir à prisão em operação e é baleado em Alagoas

Investigado pela PF tenta resistir à prisão em operação e é baleado em Alagoas

7 dez 2017

Uma organização criminosa envolvida em ocultação de recursos de crimes é o alvo da Operação Duas Faces, deflagrada pela Polícia Federal em Alagoas (PFAL) na manhã desta quinta-feira (07). Uma troca de tiros no momento da prisão entre a polícia e Erik da Silva Ferraz, principal investigado, terminou com o homem baleado e socorrido a um hospital de Maceió, capital de Alagoas. Segundo a PFAL, ele se encontra gravemente ferido na unidade de saúde.

A PF cumpriu nove mandados de busca e apreensão, cinco de prisão preventiva e três de condução coercitiva em Maceió e Barra de São Miguel, na Região Metropolitana de Maceió, todos expedidos pela 17ª Vara Criminal de Alagoas. O sequestro de bens e valores, como carros de luxo, embarcações e imóveis de alto padrão, também foi determinado pelo órgão.

Erik Ferraz é foragido do sistema prisional de São Paulo e assumiu a identidade falsa de Bruno Augusto Ferreira Júnior ao se instalar em Maceió. Na capital, ele mantinha um elevado padrão de vida, trabalhando como empresário e morando em um condomínio de luxo. As investigações apontaram que Erik seria chefe de uma facção criminosa em São Paulo.

Segundo a PFAL, perícias comprovaram a identidade falsa de Erik e o aumento de patrimônio dele desde que passou a morar na capital alagoana. No momento da prisão, o suspeito tentou resistir à ordem de prisão e trocou tiros com os policiais. Na troca de disparos, o homem foi atingido e socorrido a um hospital de Maceió. O estado de saúde dele é grave.

Os demais presos e todo o material arrecadado serão levados à sede da PFAL, em Maceió. Os investigados serão indiciados por organização criminosa, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. A Polícia Federal deslocou um efetivo de 60 policiais para esta operação e contou com o apoio de 20 policiais do Batalhão de Operação Especiais (Bope), da Polícia Militar de Alagoas (PMAL).

Via Folha PE
Comentários
PUBLICIDADE