Brasil - Mundo

Já foram contabilizados 1 milhão de pessoas na fila do Bolsa Família

Por: em 11/02/2020 às 09h29 atualizado em 11/02/2020 às 09h29

O governo de Jair Bolsonaro congelou a concessão de novos benefícios do Bolsa Família nas regiões mais carentes do Brasil, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo. Dados oficiais divulgados entre junho a outubro do ano passado apontam que uma a cada três cidades mais pobres do país não teve novos auxílios liberados.

O levantamento feito pela Folha considerou os 200 municípios de menor renda per capita do Brasil, apontados pelo IBGE em 2017. O governo Bolsonaro tem controlado a entrada de novos beneficiários no Bolsa Família, por conta da falta de dinheiro.

Segundo a reportagem, a fila de espera do programa, que havia sido extinta em julho de 2017, voltou. A estimativa é de que cerca de 1 milhão de famílias estejam, desde janeiro, aguardando uma resposta do Ministério da Cidadania.

Os dados do programa apontam ainda que de janeiro de 2017 a maio do ano passado cerca de 250 mil novos benefícios eram liberados por mês em todo o país. Essa taxa caiu para 5,4 mil de junho a outubro de 2019.

À Folha, o Ministério da Cidadania informou que o enxugamento é causado pelo pente-fino no programa, que cancelou benefícios pagos irregularmente a famílias. No entanto, a média de cancelamentos de 2019 seguiu a tendência dos anos anteriores.

De acordo com integrantes do governo ouvidos pela Folha, documentos internos mostram que a fila continuava zerada até maio e, desde então, explodiu — chegando ao patamar de 1 milhão. Procurado, o Ministério da Cidadania não quis comentar a reportagem.

Desde 2019, governo promete reformular o programa. Ainda não há previsão de quando será apresentada uma proposta. O Bolsa Família tem neste ano um orçamento de R$ 29,5 bilhões, abaixo dos R$ 32,5 bilhões de 2019.

Via IstoÉ

Comentários

Desenvolvido por: