Notícias

Em Carnaíba, mesmo com alto salário, presidente da Câmara assina atestado de pobreza

SERTÃO DO PAJEÚ

Por: em 09/11/2017 às 19h59 atualizado em 09/11/2017 às 19h59

Uma denúncia chegou até à redação do Portal NN, dando conta que o Presidente da Câmara de Vereadores do município de Carnaíba, Neudo da Itã, apesar do seu salário mais do que satisfatório, andou assinando um atestado de pobreza [anexo] durante uma ação judicial contra a Celpe.

Foto: Reprodução Google


Abaixo, na íntegra, a denúncia:

“Em Carnaíba, sertão do Pajeú, um fato vergonhoso está acontecendo sem que ninguém se dê conta.

O bem remunerado presidente da Câmara de Vereadores, senhor Irenildo Pereira, conhecido por Neudo da Itã, ganha mais de R$ 10 mil reais por mês e tem a coragem de se dizer “necessitado” assinando declaração de pobreza perante a justiça pernambucana.

Ele recebe como salário o valor de R$ 6.650,00 (seis mil,seiscentos e cinquenta reais) pelo cargo de vereador que exerce, somados a R$ 5.320,00 (cinco mil, trezentos e vinte reais) referentes aos 80% (oitenta por cento) de gratificação pelo fato de exercer a presidência, ou seja, o Neudo da Itã recebe mensalmente R$ 11.970,00 (onze mil, novecentos e setenta reais).

Acontece que em fevereiro deste ano, o senhor Neudo da Itã entrou com uma ação judicial contra a Celpe, e assinou uma declaração endereçada ao Juiz da Carnaíba se dizendo pobre na forma da lei. Disse mais, pois afirmou ser “necessitado”, dizendo que não tem condições de pagar as custas processuais sem prejuízo do seu sustento e da sua família, tudo isso para não pagar as custas judiciais.

Que vergonha, hein Neudo!!! Ganhando mais de R$ 11.000,00 (onze mil reais) por mês e ainda tem coragem de se dizer necessitado.

Coitada da Câmara de vereadores de Carnaíba, pois se o presidente se diz necessitado ganhando mais de R$ 11.000,00 os outros devem estar na espera do bolsa família ganhando R$ 5.600,00.”

Com a palavra o Exm. Sr. Presidente da Câmara de Vereadores. O Portal Nayn Neto deixa o canal aberto para o direito de resposta.
Anexo:

Comentários

Desenvolvido por: