Notícias

Serra-talhadenses são presos na maior apreensão do Piauí

Por: em 11/12/2019 às 08h55 atualizado em 11/12/2019 às 08h56

Na tarde desta terça-feira (10), sete pessoas foram presas em dois hotéis e em uma quitinete na Zona Norte de Teresina, capital do Piauí. A apreensão dos entorpecentes aconteceu em diversos pontos da capital. Segundo a Secretaria de Segurança, trata-se da maior apreensão de cocaína na história do estado.

Segundo as informações da Secretaria de Segurança foram apreendidos quatro veículos. Em relação as aeronaves, elas foram localizadas em um aeroporto privado no município de Timon, no Maranhão. Em seguida, o helicóptero e o bimotor foram levados para o hangar do Governo do Piauí. De acordo com o secretário de segurança, Fábio Abreu, o grupo pretendia lucrar em torno de R$ 25 milhões com os entorpecentes.

Dos suspeitos presos, três deles são pilotos das aeronaves. Os demais, conforme as investigações, participavam da locação de sítios. Os homens são dos estados da Bahia, Pernambuco, Pará e Piauí.

“Foram presas sete pessoas, quatro pilotos de aeronaves e outros três homens que faziam o acompanhamento e participavam do setor de logística, ou seja, faziam a locação de sítios. Um dos sítios eles chegaram a alugar por R$ 10 mil. Os presos são do Pará, Pernambuco e Bahia. Nós temos um piauiense que, segundo ele, trabalhava em um garimpo e ajudava na locação dos espaços”, comentou o secretário de segurança, Fábio Abreu.

O Grupo de Repreensão ao Crime Organizado (Greco) divulgou os nomes dos presos que são: André Luís de Oliveira Cajé Ferreira, Alexandre Vagner Ferraz, Alexandro Vilela de Oliveira, Vagner Farabote Leite, Renato Solon Gondim Magalhães, João da Cruz Marques e Alexandre Barros Pereira de Meneses.

Os três de Pernambuco são serra-talhadenses: Alexandre Vagner Ferraz, Renato Solon Magalhães e Alexandre Barros Pereira de Menezes, este último sobrinho do ex-prefeito Carlos Evandro. Renato Solon é sobrinho de Sandra Magalhães, prefeita de Calumbi. Justamente por isso na cidade e região, há muita surpresa com a informação. Não pairavam suspeitas sobre eles na cidade.

Participaram da operação o Greco, a Delegacia de Entorpecentes (Depre), Divisão de Operações Especiais (DOE) e o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Estado.

Via O Povo com a notícia

Comentários

Desenvolvido por: