Brasil - Mundo Notícias

Investigados pela CPI foram ao menos 71 vezes ao Ministério da Saúde

Ao todo, a CPI da Covid tem uma lista com 29 investigados.

Por: em 13/09/2021 às 10h03 atualizado em 13/09/2021 às 10h03

Da Folha Pernambuco

Investigados pela CPI da Covid que não possuem cargo no Ministério da Saúde foram ao menos 71 vezes à pasta durante a pandemia da Covid-19.

Na lista de visitantes há integrantes do “gabinete paralelo” e pessoas que a comissão do Senado considera como lobistas, envolvidos em transações sob suspeita.

Ao todo, a CPI da Covid tem uma lista com 29 investigados. Desse número, 21 não possuem cargo na pasta e 8 já estiveram em algum momento nomeados na Saúde durante a pandemia.

O empresário José Ricardo Santana é o investigado que esteve mais vezes no órgão: são visitas em 20 dias diferentes. Ele chegou a atuar informalmente na pasta, mas manteve a presença também mais tarde, quando discutia a venda de testes rápidos ao governo.

Barros afirmou que as visitas são relacionadas com a sua atuação como deputado e ressalta que preside a Frente Parlamentar da Indústria Pública de Medicamentos.

Os dados foram extraídos dos registros das portarias do Ministério da Saúde em 2020 e 2021, mas estão subestimados, pois não consideram as entradas pela porta “privativa” no ano passado.

Por esta passagem, costumam passar as pessoas que têm encontros com a cúpula da pasta. Os dados também não apontam com quem os investigados se reuniram na Saúde. Em alguns casos, há dados genéricos sobre para qual setor e andar o visitante seguiu.

Há apenas três registros de visitas do empresário Carlos Wizard na pandemia, todos disponíveis na lista da entrada “privativa” de 2021, ainda que ele tenha ido com frequência à pasta nos primeiros meses da crise sanitária.

Considerado o nome do gabinete paralelo, grupo que fazia aconselhamento informal do presidente Jair Bolsonaro e estimulava o uso de medicamentos sem eficácia, Wizard atuou como conselheiro do ex-ministro da Saúde e general da ativa Eduardo Pazuello.

Nomes ligados à Precisa Medicamentos também frequentaram o ministério. Além de contrato de R$ 15 milhões por preservativos femininos, a empresa fechou a entrega da vacina indiana Covaxin por R$ 1,6 bilhão.

O negócio da Covaxin foi levado ao centro das apurações da CPI da Covid e cancelado pelo governo por suspeita de irregularidades. A própria fabricante da vacina, a Bharat Biotech, rompeu o acordo com a Precisa, que nega as acusações.

O dono da Precisa, Francisco Maximiano, esteve pelo menos seis vezes na Saúde em 2021. Advogado da empresa, Tulio Silveira foi em outras sete datas à pasta no mesmo ano.

Além deles, Emanuela Medrades, diretora da mesma companhia, foi pelo menos cinco vezes à Saúde em 2020.

Considerada central no gabinete paralelo, a médica Nise Yamaguchi esteve quatro vezes à Saúde em 2020 e outras duas no ano seguinte.

Já o diretor-presidente da Belcher Farmacêutica, Emanuel Catori, tem três idas registradas ao órgão em abril deste ano. A empresa era a representante da empresa chinesa CanSino Biologicals, produtora da vacina Convidecia contra a Covid-19.

Os registros da Saúde também mostram duas visitas do policial militar Luiz Paulo Dominghetti. Na primeira, em 26 de fevereiro de 2021, ele foi cadastrado como “CEO/Diretor” da AstraZeneca/Davati na portaria comum do prédio.

LISTA DE INVESTIGADOS DA CPI
José Ricardo Santana – 20 vezes no Ministério da Saúde
Ricardo Barros – 11 vezes no Ministério da Saúde
Tulio Belchior – 7 vezes no Ministério da Saúde
Francisco Emerson Maximiano – 6 vezes no Ministério da Saúde
Nise Yamaguchi – 6 vezes no Ministério da Saúde
Emanuela Medrades – 5 vezes no Ministério da Saúde
Carlos Wizard – 3 vezes no Ministério da Saúde
Emanuel Catori – 3 vezes no Ministério da Saúde
Osmar Terra – 3 vezes no Ministério da Saúde
Luiz Paulo Dominghetti – 2 vez no Ministério da Saúde
Ernesto Araújo – 1 vez no Ministério da Saúde
Paolo Zanotto – 1 vez no Ministério da Saúde
Cristiano Carvalho – 1 vez no Ministério da Saúde
Helcio de Almeida – 1 vez no Ministério da Saúde
Luciano Hang – 1 vez no Ministério da Saúde
Arthur Weintraub – sem registro
Fabio Wajngarten – sem registro
Luciano Dias Azevedo – sem registro
Marcellus Campêlo – sem registro
Jose Alves Filho – sem registro
Onyx Lorenzoni – sem registro

Leia também:

Comentários

Desenvolvido por: