Notícias Serra Talhada

Após perder ente querida, Belmontense emite Nota de Repúdio ao Governo Municipal

Por: em 11/09/2020 às 13h31 atualizado em 11/09/2020 às 15h47

Na tarde desta sexta-feira (11), uma belmontense, Cláudia Vieira, que encontra-se enlutada pelo falecimento da sua mãe, emitiu uma Nota de Repúdio, na sua Página do Facebook. Direcionada à alguns profissionais que compõem o Governo Municipal. Além disso, fez questão de citar o vultoso valor recebido pelo município para o enfrentamento à Covid-19.

O que chama a atenção é que a Prefeitura, divulgou estar criando um hospital de campanha.

Mas a população acusou de ser uma transferência dos leitos da Unidade hospitalar para a quadra ao lado. Sendo que isso não seria um hospital de campanha, haja vista não ter estrutura, ou equipamentos imprescindíveis e que podem salvar vidas, a exemplo de respirador mecânico. “É uma desorganização, descaso, falta de humanidade de vários profissionais que lá trabalham. Assim como, de muitos que trabalham na Unidade de Saúde”, disse uma paciente.

“Enquanto isso, a população padece, familiares sofrem em decorrência da perda dos seus entes queridos, por falta de ação eficaz e de impacto da gestão de Romonilson Mariano, que recebeu mais de R$ 3 milhões do Governo Federal, para a Covid-19. Prova disso são os 8 óbitos registrados e os quase 600 casos registrados no município nessa quinta-feira.”, finalizou outro paciente.

Confira a Nota de Repúdio:

“Independente da situação em que me encontro (LUTO), gostaria de fazer alguns questionamentos às autoridades desta Cidade, São José do Belmonte.

Não conheço valor quantitativo de verbas direcionadas ao covid, porém todos nós: leigos ou esclarecidos, sabemos que existe.

Vamos aos fatos. Quem pode explicar as razões de um hospital ser instalado de forma tão precária? Como se explica um paciente idoso com covid chegar ao hospital por volta das 19 h e por muita imploração da filha, ser atendido após quase duas horas de espera? Como se explica o fato de um paciente ser receitado no hospital, e não havendo o remédio prescrito ficar sem o uso do mesmo, a espera de quando chegar? O covid não espera!!!

Vivi essa situação desumana, ao ver a minha mãe em um hospital, sendo prescrito a ela um remédio que poderia ter mudado toda a situação, porém na ausência do mesmo, nem a oportunidade me foi dada de saber da situação e adquirir por conta própria deste remédio que ela ficou sem 12 HORAS SEM UM MEDICAMENTO QUE PODERIA TER SIDO ESSENCIAL NA VIDA DE UM PACIENTE COM A COVID.

Analiso de forma irresponsável, um ou mais médicos que após analisar o comprometimento pulmonar de um paciente, permanecer mantido neste ambiente insalubre e não tomar qualquer medida.

Repudio o tratamento dessas enfermeiras desumanas, que ao lidar com uma paciente com Alzheimer, vendo esta agonizando , retirando o oxigênio, as mesmas falarem: “Há, não posso fazer nada, ela é teimosa”.

Repudio toda forma de atendimento recebida neste matadouro público.

Agradeço à Fabiana e Cícero por terem me dado atenção no sentido de transferir a minha mãe.

Repudio, de forma gritante; médicos e enfermeiros que ali se encontraram, estes estão brincando de atendimento em uma situação tão devastadora quanto essa que estamos vivendo.

Muito fiz pela minha mãe, e muita mais faria , mas a saúde é pública e não depende apenas dos familiares, deixo aqui essa situação lastimável, para que venha ao conhecimento de quem interessado for.”

REPUDIO O INTERESSE FINANCEIRO E O DESCASO COM VIDAS

Belmonte, 11 de Setembro de 2020.

Cláudia Vieira

Comentários

Desenvolvido por: