Notícias

Denúncia: prefeito de Inajá estaria usando o poder Público para satisfazer a vontade própria

Por: em 03/05/2013 às 00h46 atualizado em 03/05/2013 às 00h46

Prefeito de Inajá Leonardo Martins

Prefeito de Inajá Leonardo Martins

Os trezentos e dezessete concursados do município de Inajá sertão de Pernambuco, estão travando uma dura luta na justiça com o atual prefeito Leonardo Xavier Martins, segundo palavras dos concursados, em campanha política o atual prefeito falou que não iria perseguir ninguém e não mexeria com os concursados. Mais não é isso que vem acontecendo. Desde que o atual prefeito assumiu, baixou uma portaria afastando os 317 concursados. Por sua vez os concursados montaram uma comissão e junto com os advogados entraram com um mandado de segurança pedindo a volta dos mesmos.

A juíza da cidade Priscila Vasconcelos Areal Cabral Farias Patriota, deu seu visto a favor dos concursados, como mostraremos num trecho de seu texto que diz o seguinte: O presente writ possui pedido liminar com o escopo de que seja declarado suspenso o Decreto n° 005/2013, bem como sejam os impetrantes imediatamente reintegrados aos respectivos cargos que ocupavam junto ao Município de Inajá, com a consequente inserção de seus nomes na folha de pagamento.

Em apertada síntese, sustentam os impetrantes que lograram êxito no concurso público realizado pelo Município de Inajá destinado a preenchimento de diversos cargos públicos, cujo edital fora publicado aos 21 de Dezembro de 2011 e homologado pela Portaria n° 120, de 21 de Maio de 2012.
A convocação da posse dos impetrantes deu-se através do edital n° 001/2012, com início do exercício de suas funções aos 25 de junho de 2012.
Finalmente, apontam que foram surpreendidos com a edição de Decreto n°005/2013, do dia 20/02/2013, que anulou os atos de convocação e as respectivas; nomeações dos servidores recém empossados.

O não cumprimento por parte do prefeito Leonardo Martins acarretará multa de R$ 1.000.00 diariamente, além de arcar com as consequências Civil e Criminal. Segundo palavras do advogado Afrânio Lopes Denis, que defende os concursados, o prefeito estaria usando o poder público para satisfazer a vontade própria. E em uma entrevista à Rádio, o prefeito mentiu, dizendo que o Tribunal de Contas questionou a homologação do concurso, mais não foi assim, sabemos que o prefeito Leonardo Martins foi questionado no Tribunal de Contas, o porquê estaria querendo anular o concurso, e antes de se tomar essa decisão deveria se fazer uma investigação, o que não aconteceu.

A pergunta fica no ar! Para que todos reflitam, justiça e população, por que agora só foi questionado o concurso? Sem a mínima consciência que estaria violando os direitos de cidadãos, pai e mãe de família, que hoje se encontram passando necessidades, sem ter o que dar de comer a seus filhos, por homens que crescem dentro de famílias políticas e não se importam pelo o bem estar de seu povo, fazendo verdadeiros currais eleitorais para se manter no poder e comprando os votos. Esperamos que a justiça seja transparente, e que nos garanta nossos direitos, que conseguimos com muito sacrifício, e que os culpados paguem pelos seu erros.

Uma das comerciantes da cidade de Inajá, conversou com nossa reportagem e num tom de desabafo disse que o comércio de Inajá está parado, o movimento caiu mais de 50%, tudo isso se deve, por que os concursados e funcionários públicos não estão recebendo seus salários, a economia do município é agricultura familiar como a plantação de melancia, melão, tomate, cebola, mamão e milho, é a salvação de muita gente, temos um solo muito fértil, hoje todo agricultor tem um poço artesiano para manter sua plantação e daí tirar o sustento para sua família.

Os concursados acusam o prefeito Leonardo Martins e seu grupo político, de querer transformar o sertão de Pernambuco em um monopólio político, e fazer da população verdadeiros currais eleitorais. Os concursados disseram que o prefeito Leonardo Martins, colocou cinco pessoas da cidade de Manari concursados na cidade de Inajá, e que a mesma empresa que fez o concurso da saúde e não teve nenhum problema, a mesma foi quem realizou o último concurso, e por que só agora foi detectado que a empresa não presta?

O outro problema que os concursados falaram, é dos motoristas do último concurso da saúde que estariam trabalhando e só estariam recebendo R$ 50,00 das diárias e nada mais, “isto é uma humilhação” disse um concursado. O prefeito Leonardo Martins estaria pagando o espaço usado em uma emissora de Rádio para mentir para a população, e que não permitia que ninguém entrasse no ar para debater os problemas da cidade. Os concursados falaram para nossa reportagem, que o prefeito disse em uma emissora de Rádio que o promotor da cidade Dr. Ademilton Das Virgem Carvalho Leitão, teria dito que o concurso tinha indícios para ser anulado.

Os problemas estão instalados em todas as áreas da administração, disseram os concursados.

O portal de notícias Rota do Sertão, entrou em contato com o coordenador geral do sindicato dos professores o SINDUPROM de Pernambuco, Josenildo Vieira de Mello, onde se posicionou no caso, e disse que o sindicato orientou aos 73 novos professores do último concurso entrar por vias legais na justiça. Por que as atitudes tomadas pelo atual prefeito Leonardo Martins, de baixar um decreto anulando as nomeações, é um ato imperial, truculento e autoritário. O prefeito com tudo isso só tenta ganhar tempo para ver se consegue anular o concurso. Mais o SINDUPROM e os professores concursados, já entraram com um mandato de segurança e revogaram o decreto e com determinação judicial, os mesmos deverão estar voltando aos postos de trabalho nesta segunda ou terça-feira 30 de abril, a partir de agora o departamento jurídico do SINDUPROM também entrará com outro mandato de segurança para derrubar o processo administrativo impetrado pelo o prefeito. Falou Josenildo.

Nossa reportagem tentou entrar em contato com o prefeito Leonardo Martins, para se pronunciar sobre o caso, mais só foi possível através de sua assessoria que nos enviou um E-mail dizendo que o prefeito se pronunciaria após a publicação da matéria. (Rota do Sertão)

Comentários

Desenvolvido por: